Memórias...

Quando a gente se apaixona o mundo se enche de cores, fica tudo mais bonito, tudo mais leve, e se a paixão for verdadeira e ele for Ele você saberá, sim amiga saberá, porque quando Ele aparecer na sua vida você vai ouvir sininhos tocando e vai ver borboletinhas voando ao seu redor, e o amor de vocês será o mais lindo e será Para Sempre!

Eu deveria me empenhar em descobrir quem foi que inventou esta fantasia de “sinos e borboletas”, essa pessoa merecia a guilhotina! Ô elemento mau!

As mulheres já crescem com esta idéia fantasiosa fixada na mente, essa “invenção burguesa” (como diz Mausinho), que é o amor surreal, se comporta como uma erva daninha que cresce no imaginário feminino. Pobres meninas que se iludem com essa baboseira de Príncipe Encantado.

Eu não acredito mais no amor, não neste amor barato e fantasioso que vendem por aí, porque para mim o amor de verdade, amor de mãe, de irmão, de amiga, este é um artigo de luxo, caro e raro, e esta saturação do mercado sentimental, esta enxurrada de “eu te amo” só me prova que andam falsificando este tal de amor, e de uma forma muito furrepa.

Como qualquer outra menina que está chegando na vida adulta, eu trago na minha mochila algumas experiências guardadas numa caixinha. Eu pensei que já tinha ouvido os sinos e visto as borboletas, mas a cada dia que passa me convenço de que eu estive completamente enganada, e que “Ele” subornou as borboletas e pagou alguém para tocar os sininhos.

Sempre que um “ele” aparece e eu fico encantada eu acho que é Ele, tudo é lindo, o mundo fica leve, eu fico tonta, mas é só esse frenesi passar para começar a sentir o peso nas costas. E logo vem a desilusão, ele não é um príncipe, não é para sempre e eu acabo um pouco mais distante da tão sonhada felicidade. Não que eu não seja feliz, sim sou muito! Mas tô falando daquela tão sonhada felicidade, que nem eu sei qual é!

Mas logo aparece outro, e começa tudo de novo, outra companhia de sinos, outra equipe de borboletas, outra vez o tudo lindo, outra vez o mundo leve, outra vez a desilusão.

Por isso resolvi que eu mesma vou ter a minha companhia de sinos e minha equipe de borboletas, já que isto é uma farsa barata criada pelos homens para nos iludir, nada melhor do que colocar o feitiço contra o feiticeiro. Vou domesticar as borboletas e eu tocarei meus próprios sinos. (Mesmo que isso te contrarie Mereto.)

Gostar de alguém é algo muito além de sinos e borboletas, se a receita para uma paixão verdadeira dependesse só disso seria muito fácil. Mas tem muitas outras coisas para que uma paixão seja para sempre, ainda mais porque a duração do “para sempre” é muito relativa. Tem “para sempre” que dura um ano, cinco meses, até de três meses eu já vi.

Cansei de brincar de Princesinha, essa história de encontrar Príncipe em sapo é aventura demais pro meu mundinho. Nada de buscar o Príncipe Encantado, sem essa de que a gente tem que beijar muitos sapos para encontrá-lo. Sou mais a teoria de que enquanto eu não encontro o “Certo” eu me divirto com os errados.

Tássia Piotto (in memoria)

Nenhum comentário:

Postar um comentário